No primeiro semestre fiz um intercâmbio em Malta, comprado na agência online Descubra o Mundo. Foi ótimo, foi lindo, foi bastante proveitoso e agora vou contar um pouco mais sobre essa experiência de estudar inglês num paraíso do Mediterrâneo.

Como o foco do blog não é intercâmbio, confesso que nem pensava em falar sobre o assunto por aqui. Mas como estou recebendo várias perguntas na fanpage do Buenas Dicas, de futuros intercambistas que viram meu depoimento no blog da Descubra o Mundo, vou contar um pouco mais, principalmente sobre essa agência de intercâmbio online, que muitos perguntaram se é de confiança ou não.

Seguro viagem é obrigatório em Malta.
Compare preços aqui.

Como eu quase escolhi a STB

Quando decidi fazer um intercâmbio, segui o caminho natural da maioria: fui na STB, haha. Acho que quase todo mundo que vai estudar fora procura por eles ou pela CI Intercâmbio, que tem fama de ser um pouco mais cara e voltada para adolescentes.

Mas saí da STB mais confuso do que eu estava. Apesar de ter sido até simpática, a atendente não sabia dar dicas ou sugestões de destinos. Ela queria simplesmente que eu tivesse um país definido, um número de semanas definido, tipo de acomodação definido e pedisse pra ela montar um orçamento.

Na pressão do momento, pedi um orçamento pra Dublin e outro pra Montreal. Ela ficou uns 10 minutos montando cada um. No fim me entregou um calhamaço de papel, com descritivos impossíveis de ler e informações complicadas de entender.

Como achei tudo caro e confuso, voltei pra casa e fui buscar mais destinos no site da própria STB. Que site ruim, gente! Me senti no anos 90. Fotos pesadas, formulários que se apagam, dicas clichê de destinos e algumas armadilhas de navegação. A pegadinha também estava nos preços, bem abaixo dos mostrados na agência, o que confirmei numa segunda visita frustrante à mesma STB.

Como eu escolhi a Descubra o Mundo

Nessa de pesquisar escolas, agências e destinos de intercâmbio no Google, caí no site da Descubra o Mundo. Bonito, atual, fácil de entender. Gostei, claro. Vi que o sistema de montar orçamentos de intercâmbio também era supersimples de utilizar. Viciado em pesquisar e comparar, montei vários:

Montreal, Dublin, Toronto, Los Angeles, Londres, Brighton, Sidney, Cidade do Cabo… Acho que zerei o catálogo da Descubra o Mundo. E pesquisei também Malta, claro! Há muito tempo minha dúvida era entre Malta e Montreal, coincidentemente dois destinos que não têm o inglês como primeira língua.

Já com ideias de preços e vários tipos de orçamentos montados, considerando várias escolas e acomodações em casa de família, flats ou por fora, mandei meu primeiro e-mail com dúvidas para a Descubra o Mundo.

Na primeira resposta já vi que fecharia com eles (o que só aconteceu 6 meses depois). Isso porque tiraram todas as minhas dúvidas sobre os destinos, explicaram o perfil das escolas e se colocaram à disposição por e-mail (respostas sempre no mesmo dia) e por skype. E as respostas eram diferenciadas das que tive na STB, por exemplo. Na Descubra o Mundo me colocaram em contato com uma ex-intercambista de Malta, que sabia tudo sobre o país.

Como foi durante o intercâmbio em Malta?

blue lagoon malta

Depois de pagar o boleto, embarcar, curtir uma semana na Itália, finalmente cheguei em Malta. Por lá foi tudo como esperado, na verdade até um pouco melhor:

• Transporte do aeroporto: cheguei e já vi uma mulher com meu nome na placa. Ele me entregou os materiais da escola e me levou pra van, onde vários outros intercambistas me esperavam, já que fui o último a chegar.

• Apartamento: reservei um quarto duplo no prédio ESE Central, um dos muitos prédios da escola em Malta, onde vivem apenas estudantes. Como estava lotado, me colocaram no Residencial Tamarisk, um pouco mais afastado da escola, mas maior, com ar-condicionado e máquina de lavar liberada. Considerei como um upgrade.

• A ESE: ainda pretendo falar mais sobre a ESE aqui no blog, mas um resumo dá pra ler lá no meu depoimento. Resumindo, foi uma boa escolha, até pelo meu perfil de intercambista acima dos 30, mas a escola tem alguns pontos a melhores.

• Transporte na volta: meu pacote não tinha descrito o transfer de volta ao aeroporto em Malta. Mesmo assim a ESE me procurou uma semana antes da partida e agendou um táxi grátis. O motorista chegou na hora exata, mesmo sendo terríveis 4h da madrugada.

Não tenho muito a falar sobre a Descubra o Mundo nesse período. Alguns colegas brasileiros, também clientes da agência, estavam sempre em contato, resolvendo mudanças de apartamento, de programa na escola, de passagem etc. Como comprei as passagens por conta própria e não tive necessidades de mudança, correu tudo às mil maravilhas.

A Descubra o Mundo é de Confiança?

Eu também sou desconfiado de empresas na internet. Gosto de ver uma sede física, além de milhares de likes no Facebok e muitas opiniões na internet. Apesar de ver que a Descubra o Mundo tinha um escritório, até então em Higienópolis, preferi fazer tudo 100% online.

Assim, me pautei em outros critérios para confiar:

• A qualidade do site: excelente portal, dá pra ver que teve investimento. Bem acima do padrão de outras agências de intercâmbio mais conhecidas. Design profissional e conteúdo bem escrito.

• Depoimentos reais: vi alguns depoimentos no site e percebi que eram realmente verdadeiros. Olhei os perfis dos intercambistas no facebook e comprovei que eles tinham estado nos destinos.

• Mais referências: encontrei outros tipos de links sobre a Descubra o Mundo na internet, como o perfil no Linkedin e notícias sobre startups.

Meu intercâmbio em Malta foi nota 10

De volta ao Brasil há 4 meses, tenho a certeza de que Malta e a Descubra o Mundo foram a melhor escolha pra fazer meu primeiro intercâmbio. E olha que eu sou bem exigente com as coisas, que o digam os restaurantes e hotéis que eu avalio no Tripadvisor.

Se pudesse voltar no tempo e mudar algo no planejamento do intercâmbio, seria apenas a duração. Em vez de 1 mês, ficaria 2 ou até 20. Porque Malta é mesmo incrível. Fiz esse post correndo, só pra tirar a principal dúvida de quem lê meu depoimento no site da Descubra o Mundo, mas pretendo falar muito mais dessa ilha cheia de praias, festas e gente bacana.

Se você tiver alguma dúvida sobre Malta, a ESE ou outras escolas de inglês na Ilha, vai ser um prazer responder.

Viajar com tudo reservado é bem melhor
      • Booking: descontos exclusivos em hotéis e reservas com cancelamento grátis
      • Real Seguros: compare preços de seguro viagem
      • Passagens aéreas: melhores sites para pesquisar preços de passagens
      • Airbnb: reservas de quartos e apartamentos de temporada

Descontos para economizar na viagem (e antes dela)

        • Utilize o cupom BUENASDICAS5 na Seguro Promo e tenha   5% de desconto  em seguro viagem
        • Acesse o Airbnb por esse link e ganhe mais de  R$ 150 em crédito  de hospedagem se ainda não for cadastrado.
Autor

Criador e editor do Buenas Dicas, o blog de viagem super sincero. Siga nossas redes sociais e para dúvidas, propostas e parcerias, veja nosso contato.

29 Comments

  1. Façam mesmo intercâmbio em Malta, la sem dúvida é a melhor em relação de aprendizado, custo e aproveitar a vida e as praias!

  2. Ana Christina Carvalho responder

    Como eu chego até lá? Tem vôo direto de São Paulo ou tem que descer em algum país e pegar outro avião?
    Como você fez??

    • Oi Ana! Pra sua sorte, já fiz o post Como chegar em Malta.

      Mas já adianto que não tem voo direto do Brasil pra Malta. A conexão mais comum é Roma, mas também existem trechos por Amsterdam, Barcelona, Veneza e outras cidades.

  3. Que delicia ler seu post! Fechei com a Descubra o Mundo também, depois de 1 ano em contato com eles. São realmente atenciosos e estou bem satisfeita com o atendimento. Tão difícil achar matérias legais em blogs falando sobre Malta. A maioria que vejo é de adolescentes que querem mais é se aparecer do que dar dicas concretas sobre o lugar. Adorei!

    • Obrigado, Lamice! Também levei um bom tempo pra fechar o meu, primeiro escolhendo o destino, depois criando coragem de gastar, haha. Não lembro se comentei isso no post, mas meu único arrependimento foi não ter passado mais tempo em Malta… fica a dica. Aproveite muito seu intercâmbio! Aceito fotos legais de lá, porque eu fiquei tão envolvido na rotina que mal fotografei a ilha. =D

  4. Fernanda Boaventura Brusin responder

    Adorei seus posts sobre Malta. Eu e meu marido vamos fazer intercâmbio lá em setembro (não vai pegar a alta temporada) do ano que vem por 6 meses e eu já estou ansiosa, rs.
    Eu pretendo ir pra ClubClass, você sabe alguma coisa sobre a escola? Sei que é mais simples (e mais barata!).
    Eu sou cidadã Italiana, o que vai me ajudar muito, pois vou poder trabalhar, mas meu marido não tem a cidadania, você sabe se ele tem algum benefício?
    Obrigada desde já.

    • Obrigado, Fernanda! Então, lá em Malta conheci muita gente da Clubclass, todos brasileiros. E esse é o grande ponto contra da escola. Lá tem mais de 50% de brasileiros. Na ESE, onde estudei, o percentual é tipo 3%. E na convivência com brasileiros, é impossível manter o diálogo sempre em inglês. Por isso recomendo ir pra escolas com menos brasileiros e pra evitar formar turmas só de brasileiros, senão não vai aprender nada de inglês… Então, nesse aspecto, recomendo evitar a Clubclass e a Sprachcaffe.

      A ESE, a EC, a ACE e a EF tem menor percentual de brasileiros. Olha lá no site da Descubra o Mundo, muitas escolhas tem esse item detalhado.

      Olha, sobre seu marido poder trabalhar, acho que só se tirar o visto de trabalho. Aproveita que falta mais de um ano pra viagem e olha isso. Acho que dá tempo.

      Ah, já viu o post sobre custo de vida em Malta? Tá bem completo.

      • Fernanda Boaventura Brusin responder

        Muuito obrigada por me responder. =)
        Gostaria de saber o que você achou da ESE? Me falaram que lá os alunos acabam não interagindo muito, pois não é uma escola clube, onde os alunos ficam após as aulas, o que você recomenda?

        • De nada, é um prazer ajudar. =D

          Se quiser todos os detalhes, publiquei semana passada o post O que achei da escola ESE em Malta, que deve tirar muitas dúvidas.

          Sobre esse lance da ESE não ser escola clube e isso atrapalhar a integração, pelo menos na minha experiência, não afetou em nada. Cheguei em Malta num sábado, e no sábado seguinte já tinha uma pequena turma, e olha que sou até um pouco anti-social. Os amigos eram uma mistura de gente que conheci na sala de aula, com outros que morava no mesmo prédio que eu, o Residencial Tamarisk, da ESE.

          A maioria das pessoas também vai sozinha pro intercâmbio, o que facilita o entrosamento. Além da curiosidade que cada um tem com a cultura do outro. As aulas da escola tem um intervalo longo, de uns 30 minutos, que é quando o pessoal conversa, descobre se mora no mesmo prédio e marca de ir na praia.

          Como estive em Malta em abril e maio, todo dia depois da aula a programação era a praia de Paceville. Em dias de vento gelado, sempre rolava um tour turístico, como pra Mdina, Valetta ou Marsaxlokk, a cidade estilosa dos barquinhos coloridos que aparecem nos cartões postais de Malta.

          E a escola tem um clube que abre no verão. Mas não fiz amigos lá não, haha, só na sala de aula e no prédio mesmo.

  5. Beatriz Duarte responder

    Olá, eu quero ir em Malta, mais não sei falar inglês direito. Lá eles falaram português com você ? Ou tudo no inglês? Você tinha alguém para sair com vc ou sozinha? Desculpe o tanto de perguntas é que ainda sou menor de idade e me sinto um pouco insegura de fazer intercâmbio sozinha.

    • Oi Beatriz! Pode ir tranquila. Conheci gente que não falava absolutamente nada de inglês, principalmente turcos, russos e alguns brasileiros. Nos primeiros dias se comunicavam mais por gestos e tradutor do celular, mas logo passavam a se expressar melhor. Fecha seu pacote com transfer do aeroporto pro apartamento, porque aí é só chegar, seguir a mulher com seu nome na placa e ser entregue em casa.

      Na ESE tinha gente de toda idade, dos 10 aos 80. Peguei aula com muita gente na faixa dos 16. Aliás, estavam lá mais pela farra do que pelas aulas…

      Vão te colocar numa turma de nível parecido, o que é legal, porque aí que o papo (ou mímica, haha) rola fácil. Logo vai formar uma turma de amigos e seu nível vai melhorando. Numa semana dá pra aprender e treinar muita coisa.

    • sergio silva responder

      beatriz tenho o mesmo problema que voce e pretendo ir para o mesmo lugar kkk qual informação conseguiu levantar ate agora? me chama no whats 12981473270

  6. Olá Ronald, tudo bem? Estou em dúvida entre Toronto e Malta, sim, totalmente opostos rsrs Pois é, fico preocupada de Malta ser muito pequeno, não ter tantas opções, não ter como visitar outros lugares, etc..
    Por ser minha primeira viagem para fora e sozinha, gostaria de um lugar que tenha bastante coisas para curtir.
    E a escola? Estou preferindo a EC, o que acha?
    Adorei seu post, ajudou muito.

    • Oi Rafaela! Essa sua dúvida foi exatamente a que eu tive, haha. Fiquei um ano tentando decidir entre Canadá e Malta. Fiz tudo quanto foi lista, colocando prós e contras de cada uma. No fim, olhei uma foto de Malta e pensei: dane-se o frio, eu quero é praia. =D

      Também pensei tudo isso nos contras de Malta, principalmente a questão do inglês não ser o idioma principal. Realmente não é, mas isso não influenciou em nada meu aprendizado, porque o que vale é treinar o tempo todo, e inevitavelmente os colegas são os parceiros de treino. Eu fiz ESE e gostei, principalmente por ser a escola com menos brasileiros. Mas ouvi falar muito bem da EC. Só evite a Clubclass e a Sprachcaffe, que só têm brasileiros.

      Além do frio, outra coisa que me fez desistir de Toronto foi o fato de ser uma cidade grande. Já moro em São Paulo, já passo frio o bastante e aqui as únicas opções de lazer são sair pra comer, ir no cinema e passar no parque um dia ou outro. E em Toronto seria exatamente a mesma coisa, só que em dólar canadense e com muito muito muito mais frio. Então risquei da lista, e recomendo fortemente que você faça o mesmo. Sério, vá pra Malta!

      O país é pequeno, e é justamente isso que favorece a experiência. As maiores escolas, como a EC, a EF e a ESE ficam todas em St. Julians, que mais parece uma cidade de estudantes. Ao redor das escolas tem mercados, lojas, mcdonalds, dezenas de baladas (todas grátis pra entrar) e uma praia.

      Se for entre maior e outubro, dá pra ir pra praia TODO DIA depois da aula. E esse é a principal programação dos estudantes. Sol, gente bonita e praia linda sem gastar nada. Bem melhor do que passar o dia no shopping e no metrô em Toronto… Ah, e a maioria das residências estudantis são nessa mesma região. Ou seja, dá pra fazer tudo a pé e a qualquer hora do dia, porque Malta é um dos países mais seguros da Europa.

      Fora desse circuito básico, dá pra conhecer as cidades históricas (Tipo Mdina) e as outras praias da ilha, tipo a BLUE LAGOON, que é a praia mais linda que eu já conheci, e a St. Peters Pool (olha no google os vídeos do pessal pulando). Além dos muitos passeios de barco e das boat party que rolam toda semana.

      Sobre o clima: achei abril frio até a metade e “praiável” dali pra frente. Maio tava um clima perfeito, de sol todo dia, por volta dos 25ºC. Voltei no final do mês, e os amigos que ficaram lá disseram que junho foi melhor e que começou a fritar em julho, além de ter fervido de turista. Agosto também é quente e setembro é perfeito, porque o clima fica mais ameno, mas a água ta quentinha depois do verão… Em outubro já começa a ventania, que vai até o meio de abril. Só pra ter uma ideia. Mas mesmo no frio, dá pra fazer muita coisa.

      Aproveitando que já escrevi demais, só preciso falar que em Malta você vai estar muito menos isolada do que na Canadá, que tem gelo de um lado e os EUA do outro… Em Malta, tem voos diretos e super baratos pra Barcelona, Roma, Veneza, Londres. E também dá pra ir de barco até a Sicília.

      Resumindo, vá pra Malta. Não conheço ninguém que se arrependeu. E quando estiver lá volta aqui pra contar o que achou.

  7. RONALD SOARES SHYU responder

    Parabéns pela postagem.
    Gostaria de saber sobre preços de roupas, mochilas e eletrônicos. Vou me programar para ir em Novembro 2016. Alguns dizem que é frio e outros que nem tanto. Moro numa cidade muito quente (média de 30 a 35 graus), por isso queria comprar as roupas lá (para não exagerar nem para mais nem para menos).

    Outra dúvida seria sobre outlets, existem lá?

    Muito obrigado e parabéns!

    • Obrigado, Ronald! E foi mal pela demora, seu comentário foi pra uma pasta de spam, não sei por quê.

      Sobre o clima: novembro é outono no hemisfério norte, já chove bastante em Malta e as temperaturas variam entre 10 e 20 graus. Na prática, isso significa menos dias de praia e mar começando a ficar gelado. E menos boat partys rolando. Vai precisar de coragem pra nadar. Pra sair à noite também vai ter que caprichar no agasalho, porque venta muito na ilha.

      Sobre compras: não reparei nas lojas de Malta, ainda menos nas lojas de inverno. Perto das escolas, em St. Julians, tem um pequeno shopping com lojas de esportes tipo Adidas e Nike. Então vai encontrar agasalhos leves. Em Sliema também vi algumas lojas de roupas. E com o Euro a 4 reais, pode acabar gastando mais do que gastaria no Brasil. Resumindo, pra esse friozinho leve, melhor comprar roupas no Brasil mesmo.

      Outra alternativa sobre roupas: você vai direto pra Malta? Se for conhecer alguma cidade da Europa pelo caminho, como Barcelona ou Roma, por exemplo, vai encontrar preços melhores e mais variedades de roupas de frio do que em Malta e talvez melhor que no Brasil.

  8. Boa noite!
    Por favor, poderia nos dar uma ideia de gastos por dia? Quantos euros/dia seriam necessários para vivermos lá?

    • Fala Gustavo. Depende muito do seu estilo de vida. Eu almoçava todo dia na porta da escola, gastando de 2 a 7 euros. Sim, 2 euros era o preço de um prato de massa pra viagem. Se for comer salgado, com 1 euro dá pra comer 3 pastizzis (tipo uma empanada) em algumas lanchonetes.

      À noite, se for preparar algo em casa, vai gastar menos de 3 euros pra comer muito bem. Em Malta um pacote de macarrão e um vidrão de molho de tomate saem bem mais barato que no Brasil.

      Se for de balada, pode fazer o esquenta em casa (menos de 1 euro a lata de Cisk, a cerveja local). Pra entrar nas boates de Paceville é grátis e lá dentro a cerveja custa de 2 a 3 euros. Ou você pode usar os vales-drinks que geralmente dão nos mercados.

      Eu estava perto da escola, então não gastava nada com transporte. Mas mesmo se gastasse, não seria relevante, porque ônibus em Malta custa 1,50 o ticket que vale para qualquer destino o dia inteiro. Quase de graça.

      Ah, e como a diversão da tarde é ir pra praia, também não vai gastar nada. Nesse ritmo, é possível gastar em média 10 euros por dia. Mas é bom levar uma grana extra pros passeios legais, tipo Comino, onde só se chega de barco, na média de 7 euros, se não me engano.

      Qualquer outra dúvida sobre intercâmbio e custo de vida em Malta é só perguntar. Abraço.

  9. Boa tarde !
    Muito bom o post sobre o intercambio em malta. Quase não encontro nada sobre pessoas que já fizeram intercambio lá. Estou procurando preços e achei a DMI, mas por ser atendimento online, fico com um ‘pé atrás’ em fechar com eles. Como é a segurança em malta ? É como aqui no Brasil que quando estamos na praia alguém tem que ficar com os pertences na areia enquanto o outro esta na água ?

    • Obrigado, Priscilla! Eu não tive nenhum problema com a DMI. Sempre responderam meus emails e skypes no mesmo dia e agendaram tudo como combinado em Malta. Inclusive tive um upgrade de apartamento por lá, por conta da lotação do que estava reservado.

      Malta tem um dos índices de criminalidade mais baixos da Europa. Todo mundo costuma andar a pé a qualquer hora do dia, inclusive mulheres voltando da balada. Infelizmente quando eu estava por lá uma mulher foi roubada por um homem armado com faca e um amigo alemão foi agredido na madrugada, mas pela repercussão que causou, pareceram fatos isolados.

      Comum mesmo, só os furtos dentro das boates. Acontece todo dia, principalmente com mulheres. Nesse caso é só evitar levar bolsa ou pertences valiosos.

      Na praia não fiquei sabendo de nada, e olha que eu ia todo dia. Mas não custa sempre dar uma olhada.

      Sério, Malta é muito seguro. Acho que só nós brasileiros nos preocupamos tanto assim. Lá é outro mundo, pode ir muito mais tranquila do que anda por aqui. E se quer se divertir de verdade no intercâmbio, acho que não existe destino melhor.

      Ainda não falei muito sobre Malta aqui no blog, mas qualquer dúvida é só perguntar. Abraço.

  10. Fala Luan! Que bacana, ótima escolha fazer seu intercambio em Malta. Já reservou hostel? Se não, sugiro muito que fique nas acomodações da própria escola. A ESE tem vários pequenos prédios em Malta, com apartamentos só de estudantes da escola. São pequenas repúblicas, que geram um clima mais amistoso e confortável do que um hostel, além de realmente facilitar pra se entrosar, porque rola de ir a pé pra escola junto, ir pra balada e praia de galera e tal. Eu mesmo formei uma turma bem legal, praticamente uma família só de gringos.

    Outra vantagem desses residenciais é espaço e segurança, já que hostel, por melhor que seja, sempre fica um entra e sai de gente nova, e não necessariamente estudantes. Quando fui, a ESE tinha três principais prédios:

    O Central, quase em frente à escola e com acomodações mais simples.

    O Tamarisk, a cerca de 10 minutos de caminhada e um pouco mais caro.

    O Belmonte, a 20 minutos de caminhada de escola, onde rolavam mais festas (e por isso mesmo tinha mais reclamações sobre barulho)

    Já olhou eles no site da escola? http://ese-edu.com/accommodation/apartments/

  11. Boa tarde, otima iniciativa!
    A postagem esclarece muito sobre Malta, vou ficar um mês provavelmente em Setembro. Acho que a melhor opçao vai ser ficar em hostel com estudantes para que o contato com a lingua seja maior… vou sozinho e estava recioso quanto a se entrosar com o pessoal, mas ouvi dizer que a propria escola promove festas e coisas do genero para que isso seja mais facil.
    Bom, minhas duvidas são quanto a vida noturna, como são os bares, baladas e pubs, preços legais? existem opções para este um mês ou voce sugeriria viajar na ultima semana para outro lugar proximo?

    existe algum grupo de whats com a galera que já foi, está lá ou quer ir?

    Obrigado!

    • Sobre as baladas, são muito baratas, porque nenhuma cobra entrada. A tal Paceville é uma rua/escadaria com pubs e boates dos dois lados, cheias de gente qualquer dia da semana até umas 6 da matina. Uma cerveja custa em média dois euros dentro e muitos mercados dão vales-bebida das baladas a partir de 20 euros em compras. Ou seja, mesmo com o euro alto, beber em Malta pode sair mais barato que no Brasil. E depois das baladas, não falta McDonalds, Burger King e lanchonetes que tem haburguer de até um Euro…

    • Sobre viagens próximas, eu me arrepende muito de não ter passado todo o meu tempo só em Malta. Quando viajei pra Barcelona e Roma, sentia falta dos amigos, das praias e dos preços baixos de Malta. Mas, se não conhece a Europa, vale a pena sim dar uma esticada, porque os voos da Ryanair são muito baratos… E vá no fim mesmo, porque tem chance de ir com algum novo amigo ou mesmo ir pra cidade de alguém que conheceu.

      Não sei de grupos de whats… Ouvi dizer de uma fanpage no facebook.

  12. Boa tarde!
    Gostaria de saber como é o nível de inglês dos habitantes da ilha, pois estou pensando em fazer um pacote para Malta, mas ainda tenho receio em relação ao inglês não ser a língua oficial. Obrigado!

    • Fala Elton! De fato o inglês não é a principal língua em Malta. Entre si, os malteses só falam em maltês, que soa como uma mistura de árabe e grego. Mas quase todos os moradores da ilha têm pelo menos um nível básico de inglês. Em St. Julians e Sliema, cidades que concentram as escolas e turistas, o nível já é bem melhor. Eu fui sabendo disso e não me arrependo, até porque a convivência de um estudante geralmente é apenas com outros estudantes, todos falando inglês. E os professores das escolas geralmente são ingleses. Acho que se a mina da padaria e os taxistas fossem fluentes, não mudaria muita coisa no meu aprendizado.

    • A grande mancada num intercâmbio é andar só com brasileiros. Conheci alguns que passaram meses lá e não aprenderam quase nada, porque só falavam em português fora da escola. No site da DMI algumas escolas mostram qual a porcentagem de brasileiro nas turmas. Nessa ESE que eu fiz, o percentual era menos que 5%. No Canadá, por exemplo, muitas escolas têm tipo 30% de Brasileiros. Em Malta, a ClubClass tem 50%, o que torna quase impossível correr de brazuca…

Comentários