Buenos Aires

O que NÃO fazer em Buenos Aires: 10 roubadas e melhores alternativas

Buenos Aires é linda e cheia de atrações legais. Mas tem aqueles lugares que é melhor evitar ou ficar esperto. Ciladas, roubadas, turismo besta. Fuja enquanto é tempo.
Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Sabe aquela roubada garantida? Tá cheio delas em Buenos Aires. É golpe manjado, é restaurante ruim, é passeio desnecessário. Pra você não perder tempo e nem dinheiro, selecionei 10 coisas para NÃO fazer em Buenos Aires.

Sim, eu já caí em praticamente todas essas ciladas. Aprendi na prática, errando. Por isso fiz esse pequeno guia com o que é melhor evitar e também com dicas alternativas. Assim você risca uma coisa do seu roteiro, e coloca outra melhor no lugar. Claro que tudo depende de gostos pessoais, então leia com atenção.

1. Não vá num show de Tango turístico

Nas casas mais famosas de Buenos Aires, um show de Tango custa a partir de R$ 120 e os preços de petiscos no cardápio são absurdos. Se incluir o jantar, geralmente de qualidade no máximo mediana, o preço triplica. E são espetáculos ensaiados, sem o maior charme do tango, que é a improvisação.

Alternativa: faça uma aula de Tango

Numa aula de tango em Buenos Aires, podemos entender a origem do ritmo e treinar alguns passos. Uma experiência muito mais genuína. Se pegar uma turma vazia, ainda tem a vantagem de poder trocar uma ideia com a professora e treinar seu espanhol. Dica: eu fiz a aula com a Luciana Rial do Divino Estudio El Abasto e recomendo.


2. Não pegue Táxi ou Uber

Andar de táxi em Buenos Aires costuma ser uma aventura. Enquanto alguns motoristas dirigem como loucos, outros aplicam golpes corriqueiramente, como o famoso golpe em que ele finge ter recebido uma nota menor e faz um escândalo na hora do troco. Uber, a alternativa óbvia, enfrenta problemas com as leis, com os próprios taxistas e com operadoras de cartão de crédito. Se seu app não está programado para pagamento em dinheiro, sua corrida pode ser recusada pelo motoristas.

Alternativa: chame um Cabify ou vá de metrô

Atualmente o aplicativo mais viável em Buenos Aires é o Cabify. Pode utilizar o mesmo aplicativo baixado no Brasil. Os preços são similares aos do Uber, com a vantagem de trabalhar com carros melhores e motoristas mais educados, além de ser legalizado.



3. Não perca tempo no Caminito

No bairro de La Boca, a região do Caminito é o ponto turístico mais charlatão de Buenos Aires. Realmente é bonito, com suas casinhas coloridas. Mas é supervalorizado e quase sempre lotado. Tem muitos restaurantes, a maioria deles caros e de qualidade duvidosa. E a região é um conhecido ponto de batedores de carteira e golpistas.

 Foto com cachorros “treinados” a foto em destaque, no topo, eu tirei no Caminito e logo veio alguém me cobrar dinheiro. Segundo o responsável, é uma forma de arrecadar doação para cachorros de um abrigo. Mas não dizem o nome da suposta entidade e os cachorros estão nessa rotina que me pareceu cruel. Alguém tem mais informações?

Alternativa: prefira andar em San Telmo

O bairro de San Telmo, colado ao centro de Buenos Aires, é muito mais interessante e autêntico. Lá estão bons restaurantes, alguns deles bares históricos de Buenos Aires, como o The Federal Bar. O Mercado de San Telmo também é um ótimo lugar para comer e comprar itens típicos. E a Feira de San Telmo é ótima para passear e comprar antiguidades.


4. Não coma nos restaurantes de Puerto Madero

“Você tem que ir no restaurante tal em Puerto Madero”, disse o seu amigo que acabou de voltar de Buenos Aires. Provavelmente ele não tem paladar ou não leu o Buenas Dicas antes de viajar. O bairro é todo pra turista ver. Os restaurantes, mesmo os mais badalados, têm qualidade inferior e preços elevados. E ainda costumam ser lotados de turistas, todos brasileiros.

Alternativa: restaurantes melhores, mais baratos e tradicionais

Dá pra passar 1 ano em Buenos Aires sem repetir restaurante. Hoje, minha dica é o Perón Perón, na região de Palermo Soho. Pratos típicos, fartura, tempero suave e preços baixos para quem ganha em Real. Outra sugestão é a Pizzaria Güerrin, que é uma das melhores da cidade e você pode matar a fome por menos de R$ 20.

Olha esse filet à parmeggina no The Federal Bar. Custou menos de R$ 30.

5. Não embarque em ônibus turístico

Fazer um city tour de ônibus pode ser útil se você tem apenas meio período na cidade e não sabe o que visitar. Fora isso, é uma experiência desgastante. Um sobe e desce de ônibus com vários desconhecidos, aquele alto falante chiando, trânsito péssimo e cheiro de gasolina.

Alternativa: tour de bicicleta

Há diferentes maneiras de percorrer Buenos Aires. A dica agora é ir de bicicleta. Recomendo ir num grupo com agência especializada, guiado com quem sabe onde tem ciclovia e lugares interessantes para descansar e comer pelo caminho. Dica: comprei o passeio pelo Airbnb e gostei bastante, apesar dos 22 km pedalados sem preparo físico.


6. Não compre doce de leite caro em lojas turísticas

Já falei aqui no blog quais são as 10 melhores marcas de doce de leite da Argentina. Nas lojas butique, localizadas por exemplo em Palermo Soho e no Caminito, um pote grande de marca famosa custa o equivalente de R$ 30 a R$ 50.

Alternativa: doces do mercado são melhores e mais baratos

Nos supermercados, o mesmo produto, por vezes embalado de forma mais simples, chega a custar um teço do preço. Inclusive, entre os que listei como os melhores, meu favorito La Serenissima costuma ser o mais barato e fácil de ser encontrado em “kioscos” e mercados.


7. Não vá ao Zoológico de Lujan

Lhama no zoo de Luján, Argentina.

O Zoo de Luján, que infelizmente visitei e elogiei ainda nos primórdios do blog, se tornou referência em Turismo Cruel. Lá o turista pode entrar na jaula de predadores como tigres e leões e fazer selfies com eles, sempre imóveis. Sabe por que eles não atacam? Os bichos estão altamente dopados. Sempre que vir uma foto dessas, repare na sonolência do animal (e na cara de idiota do animal humano).

Alternativa: tem ótimos museus interativos e grátis em Buenos Aires

Em vez de entrar na jaula de um leão dopado, entre num museu divertido. Um deles é o Museu Participativo de Ciências, um bom lugar para levar pré-adolescentes. No mesmo local, no Centro Cultural Recoleta, acontecem mostras interessantes para todas as idades. E o melhor: a entrada é grátis.



8. Não chegue sem ter hotel reservado

Em plena era digital, ainda tem quem se arrisque a chegar em Buenos Aires sem hotel reservado. Se é o seu caso, saiba que o preço de balcão pode ser até 50% maior do que o preço para reserva online. E que a experiência, sem referências, pode ser péssima.

Solução: pesquise preços, opiniões e reserve pela internet

Pesquisando pela internet, você pode ler avaliações de hóspedes anteriores, comparar preços e escolher um bairro que combina com seu estilo de viagem. Já expliquei onde ficar em Buenos Aires, com dicas de bairros e hotéis. Então, desculpa você não tem.

Piscina do Four Seasons, um dos melhores hotéis de Buenos Aires

9. Não vá sem seguro viagem

Palavra de quem já ficou doente em Buenos Aires e precisou fazer vários exames: tenha um seguro saúde. Numa viagem, é normal a gente comer coisas diferentes e pegar aquela intoxicação brava, ou entrar numa multidão e sair gripado, ou sei lá. E não vale a pena gastar rios de dinheiro além do orçamento, fora o tempo até encontrar um hospital decente.

Solução: um plano básico é mais barato do que você imagina

Dependendo do período, um seguro viagem para a Argentina custa menos de R$ 10 por dia. É um valor irrisório no valor total da viagem. Sério, é mais barato do que um cachorro-quente…e você sabe, não tem nada melhor pra dar uma diarreia do que uma comida de rua sem procedência no meio da noite.


10. Não vá focado em fazer compras

Buenos Aires não é Miami. Apesar de ter alguns produtos razoavelmente mais baratos do que no Brasil, não vale a pensa gastar um tempo precioso do seu roteiro em lojas e lugares quase sempre desagradáveis. Sem falar que nessas regiões, como na perigosa Calle Florida, a chance de ser roubado ou levar um golpe é bem maior. E com as cobranças para despachar mala, o barato pode sair caro.

Faça melhor:  experiências inesquecíveis em Buenos Aires

Acima já citei algumas das melhores experiências que você pode ter um Buenos Aires, como fazer uma aula de tango ou um tour de bicicleta. Pesquise mais atividade em sites como Experiências Airbnb e Get Your Guide. Além das experiências compradas, você pode buscar fazer coisas por conta própria, inclusive amizades. E são essas experiências que vão tornar sua viagem para Buenos Aires inesquecível.

Agora que você já sabe o que NÃO fazer em Buenos Aires, veja também outras dicas para curtir o melhor da capital argentina:

Viajar com tudo reservado é bem melhor
  • Booking: descontos exclusivos em hotéis e reservas com cancelamento grátis
  • Real Seguros: compare preços de seguro viagem
  • RentCars: aluguel de carro pelo menor preço em dezenas de países
  • Get Your Guide: ingressos e tours para atrações no mundo inteiro

Descontos para economizar na viagem (e antes dela)

Criador e principal editor do Buenas Dicas, o blog do viajante inteligente (que é você 😄). Siga nossas redes sociais e para dúvidas, propostas e parcerias, veja nosso contato.

Comentários